Ingenuidade

Hoje venho escrever sobre ingenuidade e como ela nos é útil. Há situações que nós olhamos, mas não vemos. Falam-nos sobre elas, a vida mostra-nos que há coisas a aprender e nós não as vemos, não nos apercebemos delas. Porque será? Será que esta ingenuidade de não querer ver ou de acreditar que mesmo fazendo certas escolhas vou conseguir na mesma aquilo que tanto quero, me dá jeito?! Finalmente apercebi-me que sim.

“Medo da culpa que te persegue por não quereres assumir a responsabilidade sobre o que as tuas escolhas provocaram e por te esconderes atrás da tua ingenuidade.” Esta é uma mensagem que Deus me fez chegar e desde o momento em que a recebi, até aos dias de hoje, que ando a olhar para ela e a tentar entendê-la.

Atribuí-lhe vários significados, mas só nos últimos dias consegui perceber o que esta frase, verdadeiramente, significa. Sempre tive dificuldade em assumir que fiz certas escolhas e que as coloquei à frente de tudo, incluindo de mim mesma. Escondi-me atrás da ingenuidade de achar que mesmo tendo feito essas escolhas, tudo poderia mudar e acontecer o que eu tanto queria.

Não vou negar que me culpo pelas escolhas que fiz, principalmente, porque essas escolhas passaram ao lado da escolha de mim mesma. É difícil assumir a responsabilidade de não me ter escolhido a mim, em todas aquelas situações grandes ou pequenas, com medo de perder o outro, com medo de ficar sozinha, com medo que me deixassem de amar. Foi mais fácil, nesse tempo todo, ser ingénua e achar que “tudo se ia resolver na mesma”, mesmo sem eu gostar de mim, mesmo colocando os outros à minha frente, mesmo não me escolhendo. Não quis acreditar que as minhas escolhas tivessem consequências que não eram as esperadas por mim.

Escolher-me a mim não acontece de um dia para o outro. Começo a aperceber-me de situações em que não o faço e aos poucos começo a mudar. Às vezes tenho a sensação que é tudo muito lento, mas isto é o meu Ego que quer rapidez e soluções. Não faz mal que as coisas sejam lentas, pois só assim se consolidam. Nada está parado, está tudo em movimento e isso é que interessa.

Percebi como tenho dificuldade em perdoar-me, principalmente, quando olho para trás e vejo como não fui capaz de me escolher. Estou a referir-me a tomar as rédeas de uma questão, ou não permitir que alguém fosse desagradável comigo, por exemplo. Como está gravado nas minhas células que se eu me escolher e tiver certos comportamentos os outros me vão abandonar, ficariam chateados e eu seria uma desilusão, muitas vezes não reagi a provocações, fiz a vontade ao outro ou passei-me para segundo plano.

Esta dificuldade em perdoar aquela que eu fui, pois o meu Ego é extremamente exigente comigo mesma, traz outros sentimentos subtis como uma espécie de punição por ter sido aquela e não a pessoa que hoje eu achava que devia ter sido. Esta punição passa por ideias como “se já fizeste aquelas escolhas agora tens de pagar por isso, logo já não há volta a dar”. Nada disto é literalmente consciente, são ideias que ficam a pairar no Subconsciente e quase que não dou conta, mas boicotam a minha felicidade. Há sempre a possibilidade de tudo acontecer. Seria muito limitador da minha parte achar que só há um caminho.

Esta sensação de flagelação, de sentir que se tem de sofrer e de ser castigado, porque não fiz o “correto” vem de todas as crenças que adquirimos na infância e ao longo da vida. Está sempre tudo certo!

O Ego é o nosso maior crítico. Ele nem para nós é bom. Aquilo que a Mente e o Ego não conseguem ver é que naquela altura, lá no passado, em que fiz aquelas escolhas, as atitudes que eu tive foram as únicas que consegui ter. Hoje olhando para lá, com o conhecimento que adquiri entretanto sobre a vida, consigo vê-las. No entanto, na altura não consegui. Limitei-me a fazer o melhor que sabia fazer naquela situação.

Ao fazer uma meditação sobre o perdão, percebi que a minha dificuldade em me perdoar é imensa. A vantagem de fazer este trabalho doloroso e de assumir que muitas vezes sou ingénua porque não quero ver é conhecer-me um pouco melhor e no futuro evitar ter estes comportamentos, ou pelo menos tentar! Cada vez que sou sincera comigo mesma sinto-me melhor, mais equilibrada. Outras vezes nem por isso, mas faz parte!!

Agora sinto gratidão por ter conseguido entender algo que andava a evitar, algo que o meu Consciente não queria ver.

One thought on “Ingenuidade

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: